Segunda-feira, 20 de Abril de 2020
2a. Semana da Pascoa
Ciclo da Pascoa
Cor liturgica: Branco

Evangelho do dia: São Lucas 1, 26-38

Primeira leitura: Isaías 7, 10-14; 8, 10
Leitura do Livro do Profeta Isaías:

Naqueles dias, 10 o Senhor falou com Acaz, dizendo: 11"Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu". 12Mas Acaz respondeu: "Não pedirei nem tentarei o Senhor". 13Disse o profeta: "Ouvi então, vós, casa de Davi; será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? 14Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, 8,10porque Deus está conosco.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 39 (40)

- Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados, E então eu vos disse: "Eis que venho!"

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

- Sobre mim está escrito no livro: "Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!"

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

- Boas-novas de vossa justiça anunciei numa grande assembléia; vós sabeis: não fechei os meus lábios!

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

- Proclamei toda a vossa justiça, sem retê-la no meu coração; vosso auxílio e lealdade narrei. Não calei vossa graça e verdade na presença da grande assembléia.

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

Segunda leitura: Hebreus 10, 4-10
Leitura da Carta aos Hebreus:

Irmãos: 4É impossível eliminar os pecados com o sangue de touros e bodes. 5Por isso, ao entrar no mundo, Cristo afirma: "Tu não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste-me um corpo. 6Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. 7Por isso eu disse: Eis que eu venho. No livro está escrito a meu respeito: Eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade". 8Depois de dizer: "Tu não quiseste nem te agradaram vítimas, oferendas, holocaustos, sacrifícios pelo pecado" coisas oferecidas segundo a Lei - 9ele acrescenta: "Eu vim para fazer a tua vontade". Com isso, suprime o primeiro sacrifício, para estabelecer o segundo. 10É graças a esta vontade que somos santificados pela oferenda do corpo de Jesus Cristo, realizada uma vez por todas.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 1, 26-38

- Aleluia, aleluia, aleluia.
- A Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós vimos sua glória, que recebe de Deus Pai (Jo 1,14).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:

Naquele tempo: 26O anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da virgem era Maria 28O anjo entrou onde ela estava e disse: 'Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!' 29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: 'Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim'. 34Maria perguntou ao anjo: 'Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?' 35O anjo respondeu: 'O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altissimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível'. 38Maria, então, disse: 'Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!' E o anjo retirou-se.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário do dia por São João Paulo II (1920-2005), Papa
«Mulieris dignitatem» (trad. copyright © Libreria Editrice Vaticana, rev.)

«Quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher» (Gal 4,4)

[Em resposta às] aspirações do espírito humano em busca de Deus [...], a «plenitude do tempo» põe em relevo a resposta do próprio Deus. [...] O envio de seu Filho, consubstancial ao Pai, como homem «nascido de uma mulher» (Gal 4,4) constitui a etapa culminante e definitiva da revelação que Deus faz de Si mesmo à humanidade. [...] A mulher encontra-se no coração deste acontecimento salvífico. Na sua essência, a revelação que Deus faz de Si mesmo, a saber, a unidade insondável da Trindade, está contida na anunciação de Nazaré: «"Conceberás e darás à luz um Filho, a quem porás o nome de Jesus. Ele será grande e chamar-Se-á Filho do Altíssimo." "Como será isto, se eu não conheço homem?" "O Espírito Santo virá sobre ti e a força do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra. Por isso o Santo que vai nascer será chamado Filho de Deus. [...] Porque a Deus nada é impossível."»

É fácil compreender este acontecimento na perspetiva da história de Israel, o povo eleito, de quem Maria é filha, mas é também fácil compreendê-lo na perspetiva de todos os caminhos por onde a humanidade procura desde sempre uma resposta às questões fundamentais, e ao mesmo tempo definitivas, que mais a obcecam. Pois não é certo que, na anunciação de Nazaré, se encontra o início da resposta definitiva pela qual o próprio Deus vai ao encontro das inquietações do coração humano? Não se trata aqui apenas de palavras de Deus reveladas pelos profetas; no momento desta resposta, o Verbo faz-Se realmente carne (Jo 1,14). Maria atinge uma tal união com Deus, que ultrapassa todas as expetativas do espírito humano. Ultrapassa mesmo as expetativas de todo o Israel e, em particular, das filhas desse povo eleito que, em virtude da promessa, podiam esperar que uma deles se tornasse um dia a mãe do Messias. Contudo, qual delas poderia supor que o Messias prometido seria o «Filho do Altíssimo»? A partir da fé monoteísta do tempo do Antigo Testamento, tal coisa era dificilmente imaginável. Só pela força do Espírito Santo que «veio sobre ela» pôde Maria aceitar o que «é impossível aos homens, mas possível a Deus» (Mc 10,27).