Segunda-feira, 18 de Maio de 2020
6a. Semana da Pascoa
Ciclo da Pascoa
Cor liturgica: Branco

Evangelho do dia: São João 15, 26-16, 4

Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 16, 11-15
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

11Embarcamos em Trôade e navegamos diretamente para a ilha de Samotrácia. No dia seguinte, ancoramos em Neápolis, 12de onde passamos para Filipos, que é uma das principais cidades da Macedônia, e que tem direitos de colônia romana. Passamos alguns dias nessa cidade. 13No sábado, saímos além da porta da cidade para um lugar junto ao rio, onde nos parecia haver oração. Sentados, começamos a falar com as mulheres que estavam aí reunidas. 14Uma delas chamava-se Lídia; era comerciante de púrpura, da cidade de Tiatira. Lídia acreditava em Deus e escutava com atenção. O Senhor abriu o seu coração para que aceitasse as palavras de Paulo. 15Após ter sido batizada, assim como toda a sua família, ela convidou-nos: 'Se vós me considerais uma fiel do Senhor, permanecei em minha casa.' E forçou-nos a aceitar.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 149

- Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembléia dos fiéis! Alegre-se Israel em Quem o fez, e Sião se rejubile no seu Rei!

R: O Senhor ama seu povo, de verdade.

- Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.

R: O Senhor ama seu povo, de verdade.

- Exultem os fiéis por sua glória, e cantando se levantem de seus leitos, com louvores do Senhor em sua boca Eis a glória para todos os seus santos.

R: O Senhor ama seu povo, de verdade.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 15, 26-16, 4

- Aleluia, aleluia, aleluia.
- O Espírito Santo, a verdade, dará testemunho de mim; depois também vós, neste mundo, de mim ireis testemunhar (Jo 15,26s);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 26Quando vier o Defensor que eu vos mandarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. 27E vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o começo. 16,1Eu vos disse estas coisas para que a vossa fé não seja abalada. 2Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que aquele que vos matar julgará estar prestando culto a Deus. 3Agirão assim, porque não conheceram o Pai, nem a mim. 4aEu vos digo isto, para que vos lembreis de que eu o disse, quando chegar a hora.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário do dia por São João Paulo II (1920-2005), Papa
Carta apostólica «Salvifici Doloris», de 11/02/1984, 25

«Hão de expulsar-vos das sinagogas; e mais ainda, aproxima-se a hora em que todo aquele que vos matar julgará que presta culto a Deus».

O Evangelho do sofrimento fala em diversos pontos, primariamente, do sofrimento «por Cristo», «por causa de Cristo»; e isto é expresso com as próprias palavras de Jesus, ou então com as palavras dos seus apóstolos. O Mestre não esconde aos seus discípulos e àqueles que O seguirão a perspetiva de um tal sofrimento; pelo contrário, apresenta-lha com toda a franqueza, indicando-lhes ao mesmo tempo as forças sobrenaturais que os acompanharão no meio das perseguições e tribulações sofridas «pelo seu nome». Estas serão, ao mesmo tempo, como que um meio especial de verificar a semelhança a Cristo e a união com Ele. «Se o mundo vos odeia, ficai sabendo que, primeiro do que a vós, me odiou a Mim [...]; mas, porque não sois do mundo - ao contrário, Eu vos separei do meio do mundo -, por isso é que o mundo vos odeia. [...] O servo não é maior que o seu senhor. Se a Mim Me perseguiram, também vos hão de perseguir a vós. [...] Mas farão tudo isso contra vós por causa do meu nome, porque não conhecem Aquele que Me enviou» (Jo 15, 18-21).

«Disse-vos isto para que tenhais paz em Mim: no mundo tereis de sofrer. Mas tende confiança! Eu venci o mundo» (Jo 16,33). Este primeiro capítulo do Evangelho do sofrimento, que fala das perseguições, isto é, das tribulações por causa de Cristo, contém em si um chamamento especial à coragem e à fortaleza, apoiado pela eloquência da ressurreição. Cristo venceu definitivamente o mundo com a sua ressurreição; todavia, porque a sua ressurreição está ligada à sua Paixão e morte, Ele venceu este mundo, ao mesmo tempo, com o seu sofrimento. Sim, o sofrimento foi inserido de modo singular naquela vitória sobre o mundo que se manifestou na ressurreição. Cristo conserva no seu corpo ressuscitado os sinais das feridas causadas pelo suplício da cruz: nas suas mãos, nos seus pés e no seu lado. Pela ressurreição, Ele manifesta a força vitoriosa do sofrimento; e quer incutir a convicção desta força no coração daqueles que escolheu como seus apóstolos e daqueles que continua a escolher e a enviar. O apóstolo Paulo dirá: «Todos aqueles que querem viver piedosamente em Jesus Cristo serão perseguidos» (2Tim 3,12).