Sexta-feira, 05 de Junho de 2020
Tempo: Comum

Memoria: Sao Bonifacio
Cor liturgica: Vermelho

Evangelho do dia: São Marcos 12, 13-17

Primeira leitura: São Pedro 3, 12-15.17-18
Leitura da segunda carta de São Paulo:

Caríssimos: 12Esperais com anseio a vinda do Dia de Deus, quando os céus em chama se vão derreter, e os elementos, consumidos pelo fogo, se fundirão? 13O que nós esperamos, de acordo com a sua promessa, são novos céus e uma nova terra, onde habitará a justiça. 14Caríssimos, vivendo nesta esperança, esforçai-vos para que ele vos encontre numa vida pura e sem mancha e em paz. 15aConsiderai também como salvação a longanimidade de nosso Senhor. 17Vós, portanto, bem-amados, sabendo disto com antecedência, precavei-vos, para não suceder que, levados pelo engano destes ímpios, percais a própria firmeza. 18Antes procurai crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, desde agora, até ao dia da eternidade. Amém.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 89 (90)

- Já bem antes que as montanhas fossem feitas ou a terra e o mundo se formassem, desde sempre e para sempre vós sois Deus.

R: Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós!

- Vós fazeis voltar ao pó todo mortal, quando dizeis:'Voltai ao pó, filhos de Adóo!' Pois mil anos para vós são como ontem, qual vigília de uma noite que passou.

R: Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós!

- Pode durar setenta anos nossa vida, os mais fortes talvez cheguem a oitenta; a maior parte é ilusão e sofrimento: passam depressa e também nós assim passamos.

R: Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós!

- Saciai-nos de manhã com vosso amor, e exultaremos de alegria todo o dia! Manifestai a vossa obra a vossos servos, e a seus filhos revelai a vossa glória!

R: Ó Senhor, vós fostes sempre um refúgio para nós!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 12, 13-17

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Que o Pai do Senhor Jesus Cristo vos dê do saber o Espírito, para que conheçais a esperança reservada para vós como herança! (Ef 1,17s);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos:

Naquele tempo: 13As autoridades mandaram alguns fariseus e alguns partidários de Herodes, para apanharem Jesus em alguma palavra. 14Quando chegaram, disseram a Jesus: 'Mestre, sabemos que tu és verdadeiro, e não dás preferência a ninguém. Com efeito, tu não olhas para as aparências do homem, mas ensinas, com verdade, o caminho de Deus. Dize-nos: É lícito ou não pagar o imposto a César? Devemos pagar ou não?' 15Jesus percebeu a hipocrisia deles, e respondeu: 'Por que me tentais? Trazei-me uma moeda para que eu a veja.' 16Eles levaram a moeda, e Jesus perguntou: 'De quem é a figura e a inscrição que está nessa moeda?' Eles responderam:'É de César.' 17Então Jesus disse: 'Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.' E eles ficaram admirados com Jesus.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário do dia por Santa Catarina de Sena
Terceira dominicana, Doutora da Igreja, Copadroeira da Europa
Diálogos, cap. 13

«De quem é esta imagem?»: fazendo-Se homem, Deus restaura em nós a imagem da Trindade

Amor eterno [...], peço-To em graça, tem misericórdia do teu povo, em nome da caridade eterna que Te levou a criar o homem à tua imagem e semelhança (Gn1,26). [...] Só o fizeste, ó Trindade eterna, porque querias levar o homem a participar de Ti. Foi por isso que lhe deste a memória, para que se lembre das tuas mercês, e para que participe assim no teu poder, ó Pai eterno. Foi por isso que lhe deste a inteligência, para que possa compreender a tua bondade e participe assim da sabedoria do teu Filho único. Foi por isso que lhe deste a vontade, para que possa amar o que vê e o que conhece da tua verdade, e assim participe no amor do teu Espírito Santo. O que Te levou a dar uma tão grande dignidade ao homem? O amor inesgotável com que olhas a tua criatura em Ti mesmo.

[Mas,] por causa do pecado, ela perdeu a sua dignidade. [...] Então Tu, levado por esse mesmo fogo com que nos criaste [...], deste-nos o Verbo, o teu Filho único. [...] Ele cumpriu a tua vontade, Pai eterno, quando O revestiste da nossa humanidade, à imagem e semelhança da nossa natureza. Ó abismo de caridade! Que coração poderá deixar de ceder ao teu amor, vendo o Altíssimo juntar-Se à baixeza da nossa humanidade? Nós somos a tua imagem, e tu és a nossa, pela união que consumaste no homem ocultando a tua divindade no barro de Adão (Gn 2,7). [...] O que te levou a fazê-lo? O amor! Tu, que és Deus, fizeste-Te homem, e o homem tornou-se Deus. Por esse amor indizível, rogo-Te, tem misericórdia das tuas criaturas.