Domingo, 05 de Julho de 2020
14o. Domingo do Tempo Comum
Cor liturgica: Verde

Evangelho do dia: São Mateus 11, 25-30

Primeira leitura: Zacarias 9, 9-10
Leitura da Profecia de Zacarias:

Assim diz o Senhor: Exulta, cidade de Sião! Rejubila, cidade de Jerusalém. Eis que vem teu rei ao teu encontro, ele é justo, ele salva; é humilde e vem montado num jumento, um potro, cria de jumenta. 10Eliminarei os carros de Efraim, os cavalos de Jerusalém; ele quebrará o arco de guerreiro, anunciará a paz às nações. Seu domínio se estenderá de um mar a outro mar, e desde o rio até aos confins da terra.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 144 (145)

- Ó meu Deus, quero exaltar-vos, ó meu Rei, e bendizer o vosso nome pelos séculos. Todos os dias haverei de bendizer-vos, hei de louvar o vosso nome para sempre.

R: Bendirei, eternamente, vosso nome, ó Senhor!

- Misericórdia e piedade é o Senhor, ele é amor, é paciência, é compaixão. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura.

R: Bendirei, eternamente, vosso nome, ó Senhor!

- Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder!

R: Bendirei, eternamente, vosso nome, ó Senhor!

- O Senhor é amor fiel em sua palavra, é santidade em toda obra que ele faz. Ele sustenta todo aquele que vacila e levanta todo aquele que tombou.

R: Bendirei, eternamente, vosso nome, ó Senhor!

Segunda leitura: Romanos 8, 9.11-13
Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: 9Vós não viveis segundo a carne, mas segundo o espírito, se realmente o Espírito de Deus mora em vós. Se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo. 11E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos mora em vós, então aquele que ressuscitou Jesus Cristo dentre os mortos vivificará também vossos corpos mortais por meio do seu Espírito que mora em vós. 12Portanto, irmãos, temos uma dívida, mas não para com a carne, para vivermos segundo a carne. 13Pois, se viverdes segundo a carne, morrereis, mas se, pelo espírito, matardes o procedimento carnal, então vivereis.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 11, 25-30

- Aleluia, Aleluia, Aleluia!
-Eu te louvo, ó Pai santo, Deus do céu, Senhor da terra; os mistérios do teu reino aos pequenos, Pai, revelas! (Mt 11,25)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, Jesus pôs-se a dizer: 25'Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos. 26Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. 27Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai, e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar. 28Vinde a mim todos vós que estais cansados e fatigados sob o peso dos vossos fardos, e eu vos darei descanso. 29Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso. 30Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário do dia por Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein)
Carmelita, mártir, Co-padroeira da Europa
«A oração da Igreja»

«Eu Te bendigo, ó Pai, Senhor do céu e da terra»

Quando tomou o cálice, o Senhor deu graças (Mt 26,27); podemos recordar as palavras da bênção, que exprimem indubitavelmente uma ação de graças ao Criador, mas sabemos também que Cristo tinha o costume de dar graças sempre que, antes de realizar um milagre, elevava os olhos ao Pai dos Céus (Jo 11,41). Ele dá graças porque Se sabe antecipadamente escutado. Dá graças pelo poder divino que tem em Si, pelo qual vai manifestar aos olhos dos homens a omnipotência do Criador. Dá graças pela obra de redenção que Lhe é dado realizar, e dá graças por esta obra que é, em si mesma, glorificação do Deus Trindade, cuja imagem desfigurada renova, devolvendo-lhe toda a pureza da sua bondade.

Assim, o sacrifício eternamente atual de Cristo na cruz, no decurso da Santa Missa e na glória eterna do Céu, pode ser entendido como uma só e imensa ação de graças - é isso que significa a palavra «eucaristia» -, como ação de graças pela criação, a redenção e a realização final. Ele oferece-Se a Si mesmo em nome de todo o universo criado, do qual é o modelo original e ao qual desceu para o renovar a partir de dentro e o conduzir à sua realização. Mas também chama todo o mundo criado a apresentar com Ele ao Criador a homenagem de ação de graças a que Este tem direito.