Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020
Tempo: Comum

Memoria: Sao Maximiliano M. Kolbe
Cor liturgica: Vermelho

Evangelho do dia: São Mateus 18, 1-5.10.12-14

Primeira leitura: Ezequiel 2, 8-3, 4
Leitura da profecia de Ezequiel:

Assim fala o Senhor: 8"Quanto a ti, Filho do homem, escuta o que eu te digo: não sejas rebelde como esse bando de rebeldes. Abre a boca e come o que eu te vou dar". 9Eu olhei e vi uma mão estendida para mim e, na mão, um livro enrolado. Desenrolou-o diante de mim; estava escrito na frente e no verso e nele havia cantos fúnebres, lamentações e ais. 3,1Ele me disse: "Filho do homem, come o que tens diante de ti! Come este rolo e vai falar aos filhos de Israel". 2Eu abri a boca, e ele fez-me comer o rolo. 3Depois, disse-me: "Filho do homem, alimenta teu ventre e sacia as entranhas com este rolo que eu te dou". Eu o comi, e era doce como mel em minha boca. 4Ele disse-me então: "Filho do homem, vai! Dirige-te à casa de Israel e fala-lhes com as minhas palavras".

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 118 (119)

- Seguindo vossa lei, me rejubilo muito mais do que em todas as riquezas.

R: Como é doce ao paladar vossa Palavra, ó Senhor!

- Minha alegria é a vossa aliança, meus conselheiros são os vossos mandamentos.

R: Como é doce ao paladar vossa Palavra, ó Senhor!

- A lei de vossa boca, para mim, vale mais do que milhões em ouro e prata.

R: Como é doce ao paladar vossa Palavra, ó Senhor!

- Como é doce ao paladar vossa palavra, muito mais doce do que o mel na minha boca!

R: Como é doce ao paladar vossa Palavra, ó Senhor!

- Vossa palavra é minha herança para sempre, porque ela é que me alegra o coração!

R: Como é doce ao paladar vossa Palavra, ó Senhor!

- Abro a boca e aspiro largamente, pois estou ávido de vossos mandamentos.

R: Como é doce ao paladar vossa Palavra, ó Senhor!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 18, 1-5.10.12-14

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim, que sou de coração humilde e manso! (Mt 11,29);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, 1os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: "Quem é o maior no reino dos céus?" 2Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles 3e disse: "Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus. 4Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no reino dos céus. 5E quem recebe em meu nome uma criança como esta é a mim que recebe. 10Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus. 12Que vos parece? Se um homem tem cem ovelhas e uma delas se perde, não deixa ele as noventa e nove nas montanhas para procurar aquela que se perdeu? 13Em verdade vos digo, se ele a encontrar, ficará mais feliz com ela do que com as noventa e nove que não se perderam. 14Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequeninos".

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por São Clemente de Alexandria, teólogo
«O Pedagogo», I, 53-56; SC 70

«Não é da vontade de meu Pai que está nos Céus que se perca um só destes pequeninos»

A Escritura chama-nos a todos crianças; quando decidimos seguir a Cristo recebemos o nome de «pequeninos» (Mt 18,3; 19,13; Jo 21,5). [...] Quem é então o nosso educador, o pedagogo que nos ensina, a nós, os pequeninos? Chama-Se Jesus, dá a Si mesmo o nome de pastor e diz que é «o bom pastor» (Jo 10,11). Ele estabelece uma comparação entre os pastores que guiam as suas ovelhas e Ele próprio, o pedagogo que orienta as crianças, o pastor cheio de solicitude pelos pequeninos, que, na sua simplicidade, são comparados a ovelhas. «Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco e também tenho de as conduzir [...], e haverá um só rebanho e um só Pastor» (Jo 10,16). O nosso pedagogo é, naturalmente, o Verbo, a Palavra de Deus, que nos conduz à salvação. Foi o que Ele disse claramente pelas palavras do profeta Oseias: «Eu sou o vosso educador» (5,2 LXX).

A sua pedagogia é a religião: ela ensina-nos o serviço de Deus, orienta-nos para o conhecimento da verdade, conduz-nos ao céu. [...] O navegador dirige o barco com a intenção de levar os seus passageiros a bom porto; do mesmo modo, devido à sua solicitude por nós, o nosso pedagogo indica aos filhos de Deus o modo de vida que conduz à salvação. [...] Aquele que nos conduz é, pois, o Deus santo, Jesus, a Palavra de Deus, guia de toda a humanidade; é o próprio Deus que nos conduz, no seu amor por nós. [...] No Êxodo, o Espírito Santo diz a seu respeito: «Encontrou-o numa região deserta, nas solidões ululantes e selvagens; protegeu-o e velou por ele. Guardou-o como a menina dos seus olhos. Como a águia vela pelo seu ninho, Ele paira sobre as suas aguiazinhas; estende as asas para as recolher e leva-as sobre as suas penas robustas. Só o Senhor o dirige» (Dt 32,10-12).