Quinta-feira, 08 de Outubro de 2020
27a. Semana do Tempo Comum
Cor liturgica: Verde

Evangelho do dia: São Lucas 11, 5-13

Primeira leitura: Gálatas 3, 1-5
Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas:

1Ó gálatas insensatos, quem é que vos fascinou? Diante de vossos olhos, não foi acaso representado, como que ao vivo, Jesus Cristo crucificado? 2Só isto quero saber de vós: Recebestes o Espírito pela prática da Lei ou pela fé através da pregação? 3Sois assim tão insensatos? A ponto de, depois de terdes começado pelo espírito, quererdes terminar pela carne? 4Foi acaso em vão que sofrestes tanto? Se é que foi mesmo em vão! 5Aquele que vos dá generosamente o Espírito e realiza milagres entre vós, faz isso porque praticais a Lei ou porque crestes, através da pregação?

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo (Lc 1)
- Fez surgir um poderoso Salvador na casa de Davi, seu servidor, como falara pela boca de seus santos, os profetas desde os tempos mais antigos.

R: Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque a seu povo visitou e libertou!

- Para salvar-nos do poder dos inimigos e da mão de todos quantos nos odeiam. Assim mostrou misericórdia a nossos pais, recordando a sua santa Aliança.

R: Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque a seu povo visitou e libertou!

- E o juramento a Abraão, o nosso pai, de conceder-nos que, libertos do inimigo, a ele nós sirvamos sem temor em santidade e em justiça diante dele, enquanto perdurarem nossos dias.

R: Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque a seu povo visitou e libertou!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 11, 5-13

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Abri-nos, ó Senhor, o coração para ouvirmos a palavra de Jesus! (At 16,14);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 5E Jesus acrescentou: 'Se um de vós tiver um amigo e for procurá-lo à meia-noite e lhe disser: 'Amigo, empresta-me três pães, 6porque um amigo meu chegou de viagem e nada tenho para lhe oferecer', 7e se o outro responder lá de dentro: 'Não me incomoda! Já tranquei a porta, e meus filhos e eu já estamos deitados; não me posso levantar para te dar os pães'; 8eu vos declaro: mesmo que o outro não se levante para dá-los porque é seu amigo, vai levantar-se ao menos por causa da impertinência dele e lhe dará quanto for necessário. 9Portanto, eu vos digo: pedi e recebereis; procurai e encontrareis; batei e vos será aberto. 10Pois quem pede, recebe; quem procura, encontra; e, para quem bate, se abrirá. 11Será que algum de vós que é pai, se o filho pedir um peixe, lhe dará uma cobra? 12Ou ainda, se pedir um ovo, lhe dará um escorpião? 13Ora, se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem! '

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário por São Boaventura, Franciscano, doutor da Igreja
Comentário ao Evangelho de São Lucas

«Amigo, empresta-me três pães»

«Se algum de vós tiver um amigo, poderá ter de ir a sua casa à meia-noite, para lhe dizer: "Amigo, empresta-me três pães, porque chegou de viagem um dos meus amigos e não tenho nada para lhe dar"»: segundo a inteligência espiritual, este amigo é Cristo: «Já não vos chamo servos, [...] mas a vós chamei-vos amigos» (Jo 15,15). Temos de nos aproximar deste Amigo de noite, isto é, no silêncio da noite, como fez Nicodemos, acerca do qual está dito: «Veio ter com Jesus de noite» (Jo 3,2). E isto porque, no silêncio da noite, temos de bater através da oração, como diz Isaías: «A minha alma suspira por ti de noite» (Is 26,9); ou porque é à noite que encontramos a tribulação, segundo Oseias: «Nas suas tribulações, levantaram-se de manhã cedo» (Os 5,15,LXX).

Com efeito, o amigo que chega de viagem é o nosso espírito, que regressa a nós tantas vezes quantas se afastou em busca dos bens temporais. É o prazer que leva este amigo a afastar-se, mas a tribulação trá-lo de volta, como está dito mais adiante, em Lucas, a propósito do filho pródigo que se afastou por causa da luxúria e que regressou por causa da miséria (Lc 15, 11-32). Aquele que regressa entra em si mesmo, mas encontra-se vazio da consolação do alimento espiritual.

É preciso, pois, ir pedir ao Amigo verdadeiro três pães para este amigo faminto, que o mesmo é dizer, a inteligência da Trindade, ou seja, o nome das três Pessoas, a fim de que o seu alimento se encontre no conhecimento do Deus único. Ou então, esses três pães são a fé, a esperança e a caridade, pelas quais é nomeada uma tripla virtude na alma. A esse propósito, está escrito no Livro de Samuel: «Segui­rás o teu caminho até ao carvalho do Ta­bor; aí encontrarás três ho­mens que sobem para adorar a Deus em Betel, levando um três cabritos, outro três pães e o terceiro um odre de vinho» (1Sam 10,3), a fim de que assim se realize a graça e a trindade das virtudes pelas quais a imagem de Deus se forma na alma.