Quinta-feira, 15 de Outubro de 2020
Tempo: Comum

Memoria: Santa Teresa de Jesus
Cor liturgica: Branco

Evangelho do dia: São Lucas 11, 29-32

Primeira leitura: Gálatas 4, 22-24.26-27.31-5, 1
Leitura da Carta de São Paulo aos Gálatas:

Irmãos: 22está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava e outro da livre. 23Mas o filho da escrava nasceu segundo a carne, e o filho da livre nasceu em virtude da promessa. 24Esses fatos têm um sentido alegórico, pois essas mulheres representam as duas alianças: a primeira, Hagar, vem do monte Sinai; ela gera filhos para a escravidão. 26Porém, a Jerusalém celeste é livre, e é a nossa mãe. 27Pois está escrito: 'Rejubila, estéril, que não dás à luz, prorrompe em gritos de alegria, tu que não sentes as dores do parto, porque os filhos da mulher abandonada são mais numerosos do que os da mulher preferida'. 31Portanto, irmãos, não somos filhos de uma escrava; somos filhos da mulher livre. 5,1É para a liberdade que Cristo nos libertou. Ficai pois firmes e não vos deixeis amarrar de novo ao jugo da escravidão.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 112 (113)
- Louvai, louvai, ó servos do Senhor, louvai, louvai o nome do Senhor! Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e para sempre!

- Do nascer do sol até o seu ocaso, louvado seja o nome do Senhor! O Senhor está acima das nações, sua glória vai além dos altos céus.

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e para sempre!

- Quem pode comparar-se ao nosso Deus, que se inclina para olhar o céu e a terra? Levanta da poeira o indigente e do lixo ele retira o pobrezinho.

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e para sempre!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 11, 29-32

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: Não fecheis os corações como em Meriba! (Sl 94,8);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:

Naquele tempo: 29Quando as multidões se reuniram em grande quantidade, Jesus começou a dizer: 'Esta geração é uma geração má. Ela busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas. 30Com efeito, assim como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim também será o Filho do Homem para esta geração. 31No dia do julgamento, a rainha do Sul se levantará juntamente com os homens desta geração, e os condenará. Porque ela veio de uma terra distante para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão. 32No dia do julgamento, os ninivitas se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão. Porque eles se converteram quando ouviram a pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas.'

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por São João Crisóstomo, Bispo e Doutor da Igreja
4.ª Homilia sobre 1 Coríntios

O sinal de Jonas

Choremos os pagãos, que não compreendem a salvação que Deus lhes quer dar. Sim, um esposo ama menos a sua mulher do que nós amamos todos os homens e, por isso, gostaríamos de os levar a todos à salvação. Choremos e lamentemos esses incrédulos, porque para eles a linguagem da cruz é uma loucura, sendo, como é, «poder de Deus e sabedoria de Deus» (1Cor 1,18.24).

Vê bem, ó homem! Por ti, Jesus Cristo tomou a forma de escravo (Fil 2,7); por ti, morreu numa cruz; por ti, ressuscitou. E tu dizes que é impossível acreditar num amor assim, adorar um Deus assim, quando o que este Rei fez por ti, seu inimigo, que pai, que filho ou que amigo, entre nós, o teria feito?

Quando digo: «O meu Deus está pregado numa cruz», o pagão responde-me: «A razão não pode admitir uma coisa dessas. Ele sofre e deixa-Se crucificar; não pode, então salvar-Se a si mesmo? Mas, se não pode salvar-Se a si mesmo, como pode salvar os outros? (cf Mt 27,42). Tudo isto é contrário à razão.» É verdade: a cruz é um mistério que supera a razão humana, é sinal de um poder que está para além de qualquer compreensão. Mas repara: quando, depois de terem sido lançados na fornalha, os três hebreus triunfaram das chamas (Dan 3), isso foi mais prodigioso do que se não tivessem sido lançados nelas. Que Jonas tenha sido engolido por uma baleia, é natural, é normal; mas Jonas permanecer vivo no ventre do monstro, aí está o prodígio. Do mesmo modo, Cristo provou melhor a sua divindade triunfando da morte desde o próprio seio da morte, do que a teria demonstrado recusando-Se a morrer.