Segunda-feira, 26 de Outubro de 2020
30a. Semana do Tempo Comum
Cor liturgica: Verde

Evangelho do dia: São Lucas 13, 18-21

Primeira leitura: Efésios 5, 21-33
Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios:

Irmãos: 21Vós que temeis a Cristo, sede solícitos uns para com os outros. 22As mulheres sejam submissas aos seus maridos como ao Senhor. 23Pois o marido é a cabeça da mulher, do mesmo modo que Cristo é a cabeça da Igreja, ele, o Salvador do seu Corpo. 24Mas como a Igreja é solícita por Cristo, sejam as mulheres solícitas em tudo pelos seus maridos. 25Maridos, amai as vossas mulheres, como o Cristo amou a Igreja e se entregou por ela. 26Ele quis assim torná-la santa, purificando-a com o banho da água unida à Palavra. 27Ele quis apresentá-la a si mesmo esplêndida, sem mancha nem ruga, nem defeito algum, mas santa e irrepreensível. 28Assim é que o marido deve amar a sua mulher, como ao seu próprio corpo. Aquele que ama a sua mulher ama-se a si mesmo. 29Ninguém jamais odiou a sua própria carne. Ao contrário, alimenta-a e cerca-a de cuidados, como o Cristo faz com a sua Igreja; 30e nós somos membros do seu corpo! 31Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne. 32Este mistério é grande, e eu o interpreto em relação a Cristo e à Igreja. 33Em todo caso, cada um, no que lhe toca, deve amar a sua mulher como a si mesmo; e a mulher deve respeitar o seu marido.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 127 (128)
- Feliz és tu se temes o Senhor e trilhas seus caminhos! Do trabalho de tuas mãos hás de viver, serás feliz, tudo irá bem!

R: Felizes todos que respeitam o Senhor!

- A tua esposa é uma videira bem fecunda no coração da tua casa; os teus filhos são rebentos de oliveira ao redor de tua mesa.

R: Felizes todos que respeitam o Senhor!

- Será assim abençoado todo homem que teme o Senhor. O Senhor te abençoe de Sião, cada dia de tua vida.

R: Felizes todos que respeitam o Senhor!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 13, 18-21

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelaste os mistérios do teu Reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas:

Naquele tempo: 18Jesus dizia: 'A que é semelhante o Reino de Deus, e com que poderei compará-lo? 19Ele é como a semente de mostarda, que um homem pega e atira no seu jardim. A semente cresce, torna-se uma grande árvore, e as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos.' 20Jesus disse ainda: 'Com que poderei ainda comparar o Reino de Deus? 21Ele é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado.'

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por São Máximo de Turim, Bispo
CC Sermão 25; PL 57, 509ss.

«Se o grão de trigo, lançado à terra, não morrer, fica só; mas, se morrer, dá muito fruto» (Jo 12, 24)

Um homem tomou um grão de mostarda e deitou-o no seu quintal; «cresceu, tornou-se árvore e as aves do céu vieram abrigar-se nos seus ramos». Procuremos ver a quem se aplica tudo isto. [...] Penso que a comparação se aplica mais precisamente a Cristo Nosso Senhor, que, ao nascer na humildade da condição humana, qual semente, sobe finalmente ao Céu como árvore. Cristo é o grão esmagado na Paixão, que Se torna uma árvore na ressurreição. Sim, Ele é grão quando, faminto, sofre por falta de alimento; é árvore quando, com cinco pães, satisfaz a fome a cinco mil pessoas (Mt 14,13s). Ali, experimenta o despojamento da sua condição humana, aqui espalha a saciedade pela força da sua divindade.

Diria que o Senhor é grão quando é ferido, desprezado, insultado; e árvore quando devolve a vista aos cegos, reanima os mortos e perdoa os pecados. Ele mesmo reconhece que é grão: «Se o grão de trigo lançado à terra não morrer...» (Jo 12,24).