Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2020
2a. Semana do Advento
Ciclo do Natal
Cor liturgica: Roxo

Evangelho de hoje: São Mateus 11, 11-15

Primeira leitura: Isaías 41, 13-20
Leitura do livro do Profeta Isaías:

13Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tomo pela mão e te digo: "Não temas; eu te ajudarei. 14Não tenhas medo, Jacó, pobre verme, não temais, homens de Israel. Eu vos ajudarei", diz o Senhor e Salvador, o Santo de Israel. 15Eis que te transformei num carro novo de triturar, guarnecido de dentes de serra. Hás de triturar e despedaçar os montes, e reduzirás as colinas a poeira. 16Ao expô-los ao vento, o vento os levará e o temporal os dispersará; exultarás no Senhor e te alegrarás no Santo de Israel. 17Pobres e necessitados procuram água, mas não há, estão com a língua seca de sede. Eu, o Senhor, os atenderei, eu, Deus de Israel, não os abandonarei. 18Farei nascer rios nas colinas escalvadas e fontes no meio dos vales; transformarei o deserto em lagos e a terra seca em nascentes d'água. 19Plantarei no deserto o cedro, a acácia e a murta e a oliveira; crescerão no ermo o pinheiro, o olmo e o cipreste juntamente, 20para que os homens vejam e saibam, considerem e compreendam que a mão do Senhor fez essas coisas e o Santo de Israel tudo criou.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 144 (145)

- Ó meu Deus, quero exaltar-vos, ó meu Rei, e bendizer o vosso nome pelos séculos. O Senhor é muito bom para com todos, sua ternura abraça toda criatura.

R: Misericórdia e piedade é o Senhor! Ele é amor, é paciência, é compaixão!

- Que vossas obras, ó Senhor, vos glorifiquem, e os vossos santos com louvores vos bendigam! Narrem a glória e o esplendor do vosso reino e saibam proclamar vosso poder!

R: Misericórdia e piedade é o Senhor! Ele é amor, é paciência, é compaixão!

- Para espalhar vossos prodígios entre os homens e o fulgor de vosso reino esplendoroso. O vosso reino é um reino para sempre, vosso poder, de geração em geração.

R: Misericórdia e piedade é o Senhor! Ele é amor, é paciência, é compaixão!

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 11, 11-15

- Aleluia, Aleluia, Aleluia!
- Que os céus, lá do alto, derramem o orvalho, que chova das nuvens o justo esperado, que a terra se abra e germine o Senhor! (Is 45, 8)

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus:

Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 11"Em verdade eu vos digo, de todos os homens que já nasceram, nenhum é maior do que João Batista. No entanto, o menor no Reino dos Céus é maior do que ele. 12Desde os dias de João Batista até agora, o Reino dos Céus sofre violência, e são os violentos que o conquistam. 13Com efeito, todos os Profetas e a Lei profetizaram até João. 14E se quereis aceitar, ele é o Elias que há de vir. 15Quem tem ouvidos, ouça".

- Palavra da salvação
- Glória a Vós, Senhor!

Comentário do dia por Santo Agostinho (354-430)
Bispo de Hipona (Norte de África), Doutor da Igreja
Tratado antidonatista «Contra as cartas de Petiliano» livro 2, §87

«Todos os profetas e a Lei anunciaram isto até João»

Até João Baptista, a Lei e os profetas comportavam prefigurações que tinham como objectivo anunciar o futuro. Já os sacramentos da nova Lei, os sacramentos do nosso tempo, atestam a vinda daquele que os antigos proclamavam que viria. E, de todos os percursores de Cristo, João foi o mensageiro que O anunciou de mais perto.

Porque todos os justos e todos os profetas dos séculos anteriores tinham desejado ver a realização daquilo que já discerniam no futuro de que o Espírito Santo levantara o véu. O próprio Senhor Jesus Cristo o disse: «Muitos profetas e justos desejaram ver o que estais vendo e não viram, e ouvir o que estais ouvindo e não ouviram» (Mt 13,17). Foi por isso que se disse de João Baptista que ele era «mais do que um profeta» e que «entre os nascidos de mulher não apareceu ninguém maior» (Mt 11,9-11).

Com efeito, os justos dos primeiros tempos só haviam podido anunciar Cristo; João Baptista, por seu lado, teve a graça de O anunciar ainda ausente e de O ver finalmente presente. Ele viu Aquele que os outros haviam desejado ver. É por isso que o sinal do seu baptismo ainda pertence ao anúncio de Cristo que está para vir, mas já no limite da espera. Até ele, houve predições da primeira vinda do Senhor; agora, depois dele, já não se prediz a vinda de Cristo, proclama-se essa vinda.