Segunda-feira, 10 de Maio de 2021
6a. Semana da Pascoa
Ciclo da Pascoa
Cor liturgica: Branco

Evangelho do dia: São João 15, 26-16, 4

Primeira leitura: Atos dos Apóstolos 16,11-15
Leitura dos Atos dos Apóstolos:

11Embarcamos em Trôade e navegamos diretamente para a ilha de Samotrácia. No dia seguinte, ancoramos em Neápolis, 12de onde passamos para Filipos, que é uma das principais cidades da Macedônia e que tem direitos de colônia romana. Passamos alguns dias nessa cidade. 13No sábado, saímos além da porta da cidade para um lugar junto ao rio, onde nos parecia haver oração. Sentados, começamos a falar com as mulheres que estavam aí reunidas. 14Uma delas chamava-se Lídia; era comerciante de púrpura, da cidade de Tiatira. Lídia acreditava em Deus e escutava com atenção. O Senhor abriu o seu coração para que aceitasse as palavras de Paulo. 15Após ter sido batizada, assim como toda a sua família, ela convidou-nos: "Se vós me considerais uma fiel do Senhor, permanecei em minha casa". E forçou-nos a aceitar.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 149

- Cantai ao Senhor Deus um canto novo, e o seu louvor na assembleia dos fiéis! Alegre-se Israel em quem o fez, e Sião se rejubile no seu rei!

R: O Senhor ama seu povo de verdade.

- Com danças glorifiquem o seu nome, toquem harpa e tambor em sua honra! Porque, de fato, o Senhor ama seu povo e coroa com vitória os seus humildes.

R: O Senhor ama seu povo de verdade.

- Exultem os fiéis por sua glória e, cantando, se levantem de seus leitos com louvores do Senhor em sua boca. Eis a glória para todos os seus santos.

R: O Senhor ama seu povo de verdade.

Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 15, 26-16, 4

- Aleluia, Aleluia, Aleluia!
- O Espírito Santo, a verdade, dará testemunho de mim; depois também vós, neste mundo, de mim ireis testemunhar (Jo 15,26s);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João:

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 26"Quando vier o defensor que eu vos mandarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que procede do Pai, ele dará testemunho de mim. 27E vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o começo. 16,1Eu vos disse estas coisas para que a vossa fé não seja abalada. 2Expulsar-vos-ão das sinagogas, e virá a hora em que aquele que vos matar julgará estar prestando culto a Deus. 3Agirão assim porque não conheceram o Pai nem a mim. 4Eu vos digo isso para que vos lembreis de que eu o disse, quando chegar a hora".

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por São Tomás de Aquino, Doutor da Igreja
«Comentário sobre São João», tomo II § 2061

O envio do Espírito Santo

Convém considerar que, quando é enviado, o Espírito Santo não muda de lugar, dado que Ele cobre a superfície da Terra, como diz o Livro da Sabedoria (1,7); o que acontece é que o Espírito Santo começa a habitar de maneira nova, pela graça, naqueles que transforma em templo de Deus: «Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? (1Cor 3,16).

E não é contraditório dizer que Ele é enviado e que vem, porque dizer que vem permite-nos ver manifestamente a majestade da sua divindade, Ele que «opera» «como quer» (1Cor 12,6.11), e dizer que é enviado mostra que procede de outro. Com efeito, o facto de santificar a criatura racional habitando nela provém de Outro, do qual ele Ele tem o ser, tal como o Filho tem o agir de Outro.

Observemos igualmente que a missão do Espírito Santo provém conjuntamente do Pai e do Filho, como exprime o Livro do Apocalipse: «[O anjo] mostrou-me, depois, um rio de água viva, resplendente como cristal, que saía do trono de Deus e do Cordeiro [ou seja, de Cristo]» (Ap 22,1). É por isto que, para a missão do Espírito Santo, se refere o Pai e o Fiho, pelos quais, em virtude de um mesmo e igual poder, Ele é enviado. Assim, umas vezes Cristo apresenta o Pai como aquele que envia, embora não o faça sem o Filho: «o Paráclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome» (Jo 14,26); doutras vezes apresenta-Se a Si mesmo como aquele que envia, mas não o faz sem o Pai: «que Eu vos enviarei de junto do Pai», porque tudo aquilo que o Filho faz provém do Pai: «O Filho, por Si mesmo, não pode fazer nada» (Jo 5,19).