Sexta-feira, 22 de Julho de 2022
Tempo: Comum

Festa: Santa Maria Madalena
Cor liturgica: Branco

Evangelho do dia: São Marcos 6, 30-34

Primeira leitura: Jeremias 23, 1-6
Leitura do livro do profeta Jeremias:

1"Ai dos pastores que deixam perder-se e dispersar-se o rebanho de minha pastagem, diz o Senhor! 2Desse modo, isto diz o Senhor, Deus de Israel, aos pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes o meu rebanho, e o afugentastes e não cuidastes dele; eis que irei verificar isso entre vós e castigar a malícia de vossas ações, diz o Senhor. 3E eu reunirei o resto de minhas ovelhas de todos os países para onde forem expulsas e as farei voltar a seus campos, e elas se reproduzirão e multiplicarão. 4Suscitarei para elas novos pastores que as apascentem; não sofrerão mais o medo e a angústia, nenhuma delas se perderá, diz o Senhor. 5Eis que virão dias, diz o Senhor, em que farei nascer um descendente de Davi; reinará como rei e será sábio, fará valer a justiça e a retidão na terra. 6Naqueles dias, Judá será salvo, e Israel viverá tranquilo; este é o nome com que o chamarão: 'Senhor, nossa justiça'."

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Salmo 22 (23)

- O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma. Pelos prados e campinas verdejantes ele me leva a descansar. Para as águas repousantes me encaminha e restaura as minhas forças.

R: O Senhor é o pastor que me conduz: felicidade e todo bem hão de seguir-me!

- Ele me guia no caminho mais seguro, pela honra do seu nome. Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, nenhum mal eu temerei; estais comigo com bastão e com cajado; eles me dão a segurança!

R: O Senhor é o pastor que me conduz: felicidade e todo bem hão de seguir-me!

- Preparais à minha frente uma mesa, bem à vista do inimigo, e com óleo vós ungis minha cabeça; o meu cálice transborda.

R: O Senhor é o pastor que me conduz: felicidade e todo bem hão de seguir-me!

- Felicidade e todo bem hão de seguir-me por toda a minha vida; e na casa do Senhor habitarei pelos tempos infinitos.

R: O Senhor é o pastor que me conduz: felicidade e todo bem hão de seguir-me!

Segunda leitura: Efésios 2, 13-18
Leitura da carta de são Paulo aos Efésios:

Irmãos, 13agora, em Jesus Cristo, vós, que outrora estáveis longe, vos tornastes próximos pelo sangue de Cristo. 14Ele, de fato, é a nossa paz: do que era dividido, ele fez uma unidade. Em sua carne ele destruiu o muro de separação: a inimizade. 15Ele aboliu a lei com seus mandamentos e decretos. Ele quis, assim, a partir do judeu e do pagão, criar em si um só homem novo, estabelecendo a paz. 16Quis reconciliá-los com Deus, ambos em um só corpo, por meio da cruz; assim ele destruiu em si mesmo a inimizade. 17Ele veio anunciar a paz a vós, que estáveis longe, e a paz aos que estavam próximos. 18É graças a ele que uns e outros, em um só Espírito, temos acesso junto ao Pai.

- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 6, 30-34

- Aleluia, Aleluia, Aleluia.
- Minhas ovelhas escutam minha voz, minha voz então elas a escutar. Eu conheço, então, minhas ovelhas, que me seguem, comigo a caminhar (Jo 10,27);

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos:

Naquele tempo, 30os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado. 31Ele lhes disse: "Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco". Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo, que não tinham tempo nem para comer. 32Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. 33Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé e chegaram lá antes deles. 34Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.

- Palavra da Salvação
- Glória a Vós, Senhor

Comentário ao Evangelho por São Beda
o Venerável (c. 673-735), monge beneditino, Doutor da Igreja
Comentário sobre o evangelho de Marcos, 2; CCL 120, 510

«Vinde comigo para um lugar isolado e descansai um pouco»


«Os apóstolos voltaram para junto de Jesus e contaram-Lhe tudo o que tinham feito e ensinado». Os apóstolos não estão sozinhos [...]; há entre eles outros discípulos de Jesus, bem como discípulos do Batista. [...] «Jesus disse-lhes: "Vinde comigo para um lugar isolado e descansai um pouco"». Para explicar a necessidade de conceder algum repouso aos discípulos, o evangelista prossegue dizendo: «De facto, havia sempre tanta gente a chegar e a partir que eles nem tinham tempo de comer». A fadiga daqueles que ensinavam e o ardor daqueles que se deixavam instruir mostram claramente como todos eram felizes.

Quem dera que a providência de Deus fizesse o mesmo no nosso tempo, e um grande número de fiéis se concentrasse em torno dos ministros da palavra para os ouvir, não lhes deixando sequer tempo de recuperar forças! [...] Quem dera que deles fosse reclamada, a tempo e fora de tempo, a palavra da fé e o ministério da salvação! Desse modo, eles arderiam no desejo de meditar nos preceitos de Deus e de os pôr incessantemente em prática, de maneira que os seus atos não desmentissem os seus ensinamentos.

«Partiram, então, de barco para um lugar isolado, sem mais ninguém». [...] Mas as pessoas seguiram-nos, tomando apressadamente a estrada do deserto; não foram de burro nem em qualquer género de veículo, mas a pé, mostrando, com esse esforço pessoal, a importância que davam à sua salvação. Em troca, Jesus acolheu esta gente fatigada. Como Salvador e médico cheio de poder e de bondade, instruiu os ignorantes, curou os doentes e alimentou os famintos, manifestando assim a enorme alegria que o amor dos crentes suscita n'Ele.